Senado aprova desmonte trabalhista no plenário

Ligado .

Desde o início, PSOL denuncia o projeto do governo Temer, que visa apenas aumentar os lucros das grandes empresas ao custo da retirada de direitos sociais e trabalhistas.

O Senado aprovou, na noite desta terça-feira (11/07), o projeto de reforma trabalhista do governo Michel Temer. Foram 50 votos favoráveis e 26 contrários. Todos os destaques e emendas foram rejeitados.

O projeto, que agora vai à sanção de Temer, desmonta direitos trabalhistas conquistados ao longo de décadas e altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A sessão começou às 11h sob grande protesto de senadoras da oposição, que ocuparam a Mesa-Diretora, impedindo até quase 19h a votação da reforma. Os deputados do PSOL, como Glauber Braga, Luiza Erundina e Ivan Valente, foram ao Senado prestar solidariedade.

O PSOL, os demais partidos da oposição e diversos movimentos sociais vêm denunciando, nos últimos meses, o projeto do governo Michel Temer, que visa apenas aumentar os lucros das grandes empresas ao custo da retirada de direitos sociais e trabalhistas.

A aprovação do projeto feita às pressas, sem aceitar nenhuma das emendas propostas pelos senadores, é uma clara tentativa de mostrar força do governo às vésperas da votação, na Câmara, da autorização para que o STF investigue formalmente Temer por corrupção passiva no caso da JBS.

Além disso, o projeto é considerado um “pagamento” de Temer aos grandes empresários que patrocinaram o golpe parlamentar de 2016, que o levou de forma ilegítima à Presidência da República.

O desmonte das leis trabalhistas prevê, por exemplo, que o negociado prevaleça sobre o legislado em casos de negociações entre patrões e empregados. Assim, abre a ampla possibilidade de que empresários desconsiderem direitos consolidados ao negociar com trabalhadores, que sempre têm menos poder em momentos de negociação.

O projeto também prevê a possibilidade de trabalho intermitente e, também, que mulheres grávidas possam trabalhar em locais insalubres.

 

 

Do PSOL Nacional.